Ecobarreira Arroio Dilúvio: como a Trashin atua junto ao Instituto Safeweb

Conheça a Ecobarreira Arroio Dilúvio e qual o impacto da iniciativa para a sociedade e o meio ambiente através da coleta de mais 800 toneladas de resíduos até o momento.

ecobarreira-arroio-diluvio

Você já ouviu falar na Ecobarreira Arroio Dilúvio? Localizada em Porto Alegre, a iniciativa do instituto Safeweb – ONG da própria Safeweb – em parceria com a prefeitura da capital gaúcha, já coletou mais de 800 toneladas de resíduos sólidos desde 2016. 

O projeto que tinha validade até 2021 foi renovado em março do ano passado e poderá operar até 2025. 

Mas como funciona a iniciativa? Como a Trashin faz parte do projeto? Vamos entender isso melhor a seguir! 

ecobarreira-arroio-dilúvio

Como funciona a Ecobarreira Arroio Dilúvio? 

Para começar, precisamos entender que estamos falando de uma barreira ecológica que barra todo o lixo flutuante que desce pelo arroio dilúvio em direção ao lago Guaíba. 

Essa barreira é composta de módulos flutuantes que impedem a passagem destes resíduos sólidos que iriam em direção ao lago. Após esse “bloqueio” da barreira, o material é represado pelas bóias até ser finalmente recolhido por uma gaiola para fora do arroio. 

Das mais de 800 toneladas de resíduos sólidos já coletados pela iniciativa, a maioria diz respeito a itens plásticos que iriam poluir o lago. Lembrando que a decomposição do plástico possui uma estimativa de tempo maior que 400 anos, e quando descartado na água, se transforma em microplástico e é consumido por peixes e outros animais. 

Assim, o Instituto Safeweb assume sua responsabilidade perante a comunidade onde está inserida, fazendo um pouco mais do que somente aquilo que é sua obrigação. 

Existem outras Ecobarreiras no Brasil? 

Sim! Além da barreira criada para evitar que os resíduos chegassem ao lago Guaíba, em Porto Alegre, outras cidades adotaram iniciativas parecidas. É o caso da Ecobarreira do rio Atuba, na região metropolitana de Curitiba, e do Rio do Peixe, na cidade de Socorro em São Paulo. 

Vale destacar que estas são barreiras criadas por pessoas da comunidade local, sem apoio da prefeitura ou de empresas parceiras. Entretanto, fazem grande diferença para o ecossistema local e servem de exemplo para diversas outras cidades.

Como a Trashin faz parte dessa história? 

Bom, visto que são coletados diversos resíduos recicláveis todos os dias na Ecobarreira Arroio Dilúvio, é necessário que alguém garanta que todos sejam destinados e reaproveitados. 

Por isso, na parceria recente entre o Instituto Safeweb e a Trashin, todos os resíduos coletados na barreira são entregues para destinação correta em logística feita por nós. Dessa forma, com os resíduos chegando até as cooperativas de reciclagem, é possível garantir que os materiais sejam de fato reciclados

Você deve estar se perguntando: mas esse resíduo do arroio, não está contaminado impedindo o processo de reciclagem? Para a surpresa de todos a resposta é não! Realizamos um estudo em parceria com a Braskem e foi constatado que os resíduos do arroio podem ser reciclados, voltando para a cadeia produtiva como insumo para novos produtos.

Essa parceria além de impactar positivamente o meio ambiente e garantir que resíduos sólidos não poluam rios, também gera um forte impacto social, pois todo resíduo destinado para cooperativa e passível de reciclagem, gera renda para os cooperados. 

Quer entender mais sobre o projeto? Acesse o site do Ecobarreira Arroio Dilúvio! Mas se quer saber mais sobre os nossos serviços de gestão de resíduos e logística reversa, preencha o formulário abaixo para entrarmos em contato!