Prédios inteligentes: arquitetura a serviço da sustentabilidade

Entenda o surgimento das construção que são planejadas para serem autossustentáveis 

A preocupação com o meio ambiente se tornou uma pauta universal. Atualmente, o meio empresarial se depara com consumidores mais conscientes e com investidores mais sensíveis a práticas sustentáveis. Haja vista que caso uma grande marca não esteja alinhada às métricas de ESG, a mesma perde valor de mercado.

A arquitetura e a construção civil não ficaram de fora deste contexto. Segundo dados da ONU, as cidades e suas edificações são responsáveis por mais de 70% das emissões de CO2 no mundo. Quando focalizamos no Brasil, os grandes centros e seus prédios fazem parte de mais de 42% do consumo de energia elétrica no Brasil, além de 21% do consumo de água e 65% dos resíduos enviados para aterros sanitários, conforme análise do Anuário Estatístico de Energia Elétrica (2019). 

Graças ao advento de novas tecnologias, uma novidade vem ganhando destaque: os Prédios Inteligentes. Estas edificações modernas utilizam de inovações para possibilitar o uso eficiente e econômico dos recursos, o que traz benefícios imensos para o meio ambiente.

Este conteúdo tem como proposição contextualizar esse surgimento, bem como entender conceitos e visualizar os grandes cases destes empreendimentos. Por fim, será destacado a gestão de resíduos, com foco no entendimento da Trashin sobre esta conjuntura.

Contexto propício

Conforme levantamento feito na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) do IBGE, o número de apartamentos no Brasil cresceu 321% de 1984 a 2019. Podemos concluir, portanto, que o Brasil está cada vez mais vertical. A edição da PNAD, divulgada em 2019, aponta que existem mais de 10 milhões de apartamentos no Brasil. O montante equivale a 14,2% em relação ao total de domicílios em todo o País.

Essa realidade cresce perpendicularmente à necessidade do desenvolvimento sustentável. Os recursos naturais estão cada vez mais escassos e a demanda por energia cresce, contribuindo para o aumento do custo ao usuário final. Nesse cenário, construir melhor, gastando menos recursos, economizando dinheiro do usuário e trazendo um espaço mais saudável é um caminho definitivo.

O termo sustentabilidade é recente nas áreas de engenharia e arquitetura e tem sido utilizado para definir as atribuições de construções que possam proporcionar àqueles que os habitam maior conforto ambiental, maior segurança, melhor qualidade de vida, além de promoverem uma maior redução nos impactos ambientais.

Como destaca Pedro Rodrigues, “os arquitetos devem pensar em prédios mais eficientes. Os maiores produtores de gases do efeito estufa são as cidades. Então você pensar de forma urbanística, como você pode se organizar de forma mais eficiente do ponto de vista ambiental e energético”.

E é neste contexto que começam a ser idealizados os Prédios Inteligentes, visando tornar as cidades mais sustentáveis, resilientes, hiper eficientes e centradas nas pessoas.

O que é um Prédio inteligente?

O conceito de “smart building” apareceu nos EUA por volta da década de 80. Por definição, um Prédio inteligente é aquele que utiliza a tecnologia para diminuir os custos operacionais, eliminar os desperdícios e criar uma infraestrutura adequada para aumentar a produtividade dos usuários. 

O Prédio inteligente conjuga, de forma racional e econômica, os recursos técnicos e tecnológicos de forma a proporcionar um meio ideal ao desenvolvimento de uma atividade humana. 

A sustentabilidade é vista e abordada como elemento chave para o sucesso destes empreendimentos, uma vez que os recursos naturais são esgotáveis e a eficiência energética é condição fundamental para a viabilidade econômica dos prédios Inteligentes. 

Segundo Ken Yeang, autor da obra “The Green Skyscraper” (1999), um empreendimento imobiliário sustentável é aquele projetado com a preocupação de se integrar ao meio ambiente, minimizar os impactos ambientais e proporcionar aos seus usuários conforto ambiental.

Estes empreendimentos devem atender às seguintes exigências:

– Integração ao meio ambiente; 

– Economia de energia e água; 

– Conforto ambiental para seus habitantes; 

– Uso racional dos recursos; 

– Durabilidade; 

– Viabilidade econômica.

O que é comum encontrarmos em Prédios inteligentes?

É essencial que estas construções possuam máxima automatização de funções e tecnologias da segurança eletrônica. Pois são necessárias soluções eficientes que geram economia, reaproveitamento e captação inteligente de recursos naturais. Além disso, uma das grandes motivações dessas construções é se tornarem carbono neutro.

Práticas essenciais em um Prédio inteligente:

– Coleta seletiva e gestão de resíduos ativa e eficiente (reciclagem);

– Aproveitamento de luz natural (solar) e vento;

– Prioridade para uso de materiais ecologicamente corretos produzidos localmente, com o objetivo de diminuir o gasto com energia necessária para transporte de materiais;

– Impacto reduzido na região de entorno através da diminuição de emissão de gases de efeito estufa, o que contribui para melhoria na qualidade do ar;

– Integração dos custos de construção com os custos de operação do edifício ao longo de toda a sua vida útil.

Confira alguns Prédios inteligentes que se destacam no mundo e no Brasil:

Bosco Verticale – (Milão, Itália)

Kuggen – (Gotemburgo, Suécia)

Center for Sustainable Landscapes – (Pittsburgh/EUA)

Centro SEBRAE de Sustentabilidade – (Cuiabá)

Existem certificações para estas construções?

As certificações de sustentabilidade tem por objetivo avaliar as construções com base em critérios como consumo de água, consumo de energia, geração de resíduos, uso de energias alternativas, restrição ao uso de materiais tóxicos, entre muitos outros.

Alguns certificados que se destacam no mercado:

– LEED: Leadership in Energy and Environmental Design;

– Aqua-HQE: Démarche HQE (Haute Qualité Environnementale);

– BREEAM: Building Research Establishment Environmental Assessment Method;

– GBC Casa e Condomínio: Certificação GBC Brasil Casa & Condomínio;

– EDGE: Excelência em Design para Maior Eficiência.

A importância do descarte de resíduos para os Prédios inteligentes

É fundamental que estes empreendimentos tenham uma moderna e adequada gestão de resíduos. Essa logística necessita de:

Sinalização personalizada para os contentores (comunicação visual);

Separação de resíduos em recicláveis, orgânico, rejeito, eletrônico, pilhas e baterias, lâmpadas, entre outros tipos de resíduos;

– Contratação de serviços de transporte e destinação final;

– Acessibilidade para todos os públicos;

– Treinamento de equipes e usuários;

– Compostagem gerada a partir da poda de vegetação.

Trashin é a solução para a gestão de seus resíduos

Nossa empresa tem a expertise para gerir de maneira inovadora e eficiente os resíduos em Prédios Inteligentes.

Somos parte fundamental da gestão de resíduos do Aqwa Corporate, prédio construído no Rio de Janeiro pela empresa norte-americana Tishman Speyer. Confira aqui a Landing Page com dados da gestão de resíduos do Aqwa.

Falando nisso…está por dentro dos principais debates sobre sustentabilidade no Brasil? Então escuta essa: criamos, em parceria com a Amcham, a revista ESG Trends, que explica, com uma linguagem palpável e prazerosa, o que é ESG e a importância de aplicá-la ao seu negócio.

Você tem mais alguma dúvida a respeito dos nossos serviços ou tem interesse em saber mais sobre nossa empresa? Preencha o formulário abaixo para que possamos entrar em contato!